Saiba tudo sobre o Euro aqui

Número de turistas baixou em abril

Agência Lusa , PP
31 mai, 11:42
Turismo em Lisboa (GettyImages)

Dormidas de residentes caíram 12,5%, contrariando a trajetória de crescimento dos últimos dois meses. Já os mercados externos registaram o primeiro decréscimo com -0,8%

O alojamento turístico registou 2,6 milhões de hóspedes e 6,5 milhões de dormidas, em abril, correspondendo a quebras de 3,7% e 4,3%, com os mercados externos a caírem pela primeira vez desde março de 2021, divulgou hoje o INE.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) recorda que, em março, os hóspedes tinham aumentado 12,3% e as dormidas 12,8%, mas sublinha que os resultados de abril “terão sido influenciados pelo efeito de calendário do período de férias associado à Páscoa, que no ano anterior se concentrou apenas em abril, enquanto este ano se repartiu entre março e abril”.

As dormidas de residentes totalizaram 1,8 milhões, caindo 12,5% (após +9,9% em março) e contrariando a trajetória de crescimento dos últimos dois meses.

Já os mercados externos registaram o primeiro decréscimo desde março de 2021 (-0,8%, após +14,0% em março), totalizando 4,8 milhões de dormidas em abril.

O Reino Unido foi o principal mercado emissor em abril (quota de 18,2%), tendo registado uma ligeira quebra de 0,2%, seguido da Alemanha (peso de 11,7%), que cresceu 2,0%.

O mercado espanhol (quota de 6,9%) destacou-se pela diminuição expressiva (-42,5%).

Em abril, observou-se alguma heterogeneidade na evolução das dormidas entre regiões, com os Açores a registarem o aumento mais expressivo (+7,5%), enquanto na Madeira (+0,8%), no Oeste e Vale do Tejo (+0,5%) e na Grande Lisboa (+0,1%) os aumentos foram mais modestos.

Nas restantes regiões, observaram-se diminuições nas dormidas, com maior expressão no Alentejo (-11,3%) e no Algarve (-9,9%).

A ocupação nos estabelecimentos de alojamento turístico diminuiu em abril, para 47,3% e 57,5%, nas taxas líquidas de ocupação cama e ocupação quarto, respetivamente (-3,6 pontos percentuais e -2,7 pontos, respetivamente).

Economia

Mais Economia

Patrocinados