“Exaustos e desmotivados”. Enfermeiros do Garcia de Orta exigem respostas

Agência Lusa , DCT
22 dez 2021, 18:25
Covid-19
Covid-19

Profissionais de saúde dão como exemplo o Serviço de Pneumocovid, direcionado para a resposta covid, onde estão menos de 30 enfermeiros a trabalhar e há mais de 100 turnos extraordinários no horário

PUB

Os enfermeiros do Hospital Garcia de Orta, em Almada, denunciaram esta quarta-feira a situação de “exaustão e desmotivação” em que se encontram, face ao aumento do volume de trabalho e ao “não pagamento de 20 mil horas de trabalho extraordinário”.

O que nos levou a este protesto são os níveis de exaustão a que os enfermeiros e as enfermeiras estão sujeitos”, disse Zoraima Prado, do Sindicato dos Enfermeiros, lembrando que o volume de trabalho, incluindo o trabalho extraordinário, daqueles profissionais de saúde tem vindo a aumentar desde o início da pandemia.

PUB

Zoraima Prado falava à agência Lusa após uma conferência de imprensa à entrada do hospital para denunciar a situação dos enfermeiros, que culminou com uma deslocação ao Conselho de Administração da unidade para a entrega de um documento com um conjunto de reivindicações relacionadas com o alegado não pagamento do trabalho extraordinário, gozo de dias de tolerância e feriados.

“Nós sabemos que o desbloqueamento das progressões de carreira está mais na esfera de decisão do Governo, mas as instituições podem dar um sinal a esse nível. E o Garcia de Orta não tem dado. Pelo contrário, tem criado mais constrangimentos, como é o caso do sistema de gestão de horários, e tem tido atitudes que efetivamente têm desmotivado muitas pessoas, como é o caso de não reconhecer como 'relevante' o seu desempenho nos anos de pandemia”, acrescentou.

PUB
PUB
PUB

Enfermeiros pedem valorização

Segundo a sindicalista, os enfermeiros exigem que o Conselho de Administração do Garcia de Orta tenha uma “atitude de valorização para com os seus trabalhadores” e também que esclareça algumas questões “em termos de horas que desapareceram e feriados que não são contados”, situações que considera não ajudarem a melhorar o “clima já altamente desfavorável à fixação de enfermeiros” nesta unidade de saúde.

“Foram pedidos alguns esforços [devido à pandemia] e fizeram-se, porque eram necessários. Mas verifica-se que nada foi feito para que esse esforço, que se pediu inicialmente, pudesse depois ser minimamente reduzido. Antes pelo contrário, neste momento estamos naquilo que é a pior fase da doença respiratória aguda - a fase de inverno é sempre pior, temos sempre mais doentes com este tipo de patologia - e nada foi feito no sentido de acautelar esta fase”, disse a sindicalista.

Zoraima Prado defende que, face à situação pandémica, o Conselho de Administração do Garcia de Orta devia “ter criado condições para fixar os profissionais e reforçado a capacidade para ventilar doentes” durante o inverno, mas considera que nada disso foi feito, o que também contribui para afastar cada vez mais profissionais daquele hospital e do Serviço Nacional de Saúde.

PUB
PUB
PUB

“As pessoas continuam a sair por ausência de condições de trabalho. No Serviço de Urgência, neste momento com 81 enfermeiros - já foram mais de 100 –, sabemos que só este mês vão sair mais três. Relativamente àquilo que é o trabalho extraordinário que é pedido – e sem contar com a saída desses três enfermeiros -, são 205 turnos extraordinários no Serviço de Urgência”, disse.

No Serviço de Pneumocovid, que é o serviço direcionado para a resposta covid, temos menos de 30 enfermeiros a trabalhar e temos mais de 100 turnos extraordinários no horário”, acrescentou Zoraima Prado.

De acordo com a sindicalista, os turnos de trabalho extraordinário realizados pelos enfermeiros em praticamente todos os serviços do Hospital Garcia de Orta demonstram que, em quase todos, “faltam três ou quatro enfermeiros”.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

País

Mais País

Patrocinados