Câmara de Almada diz que realojou 51 famílias e concluiu demolições no bairro do 2.º Torrão

Agência Lusa , MJC
7 out, 15:21
Vala Segundo Torrão. Imagem: DR

Segundo a autarca, o município teve conhecimento de que as construções sobre a vala do 2.º Torrão “ofereciam perigo para a vida das pessoas” através de um relatório da Proteção Civil, tendo iniciado de “imediato um processo que conduziu à demolição das construções em risco"

A Câmara de Almada deu por concluído esta sexta-feira o processo de demolição de dezenas de construções clandestinas sobre uma vala no bairro do 2.º Torrão, na Trafaria, tendo assegurado o realojamento temporário de 51 famílias.

“Os trabalhos de demolição no bairro do 2º Torrão foram concluídos no calendário que estava previsto, de 01 a 06 de outubro, precisamente no início do ano hidrológico”, disse à agência Lusa a vereadora da Proteção Civil na Câmara de Almada, Francisca Parreira.

Segundo a autarca, o município teve conhecimento de que as construções sobre a vala do 2.º Torrão “ofereciam perigo para a vida das pessoas” através de um relatório da Proteção Civil, tendo iniciado de “imediato um processo que conduziu à demolição das construções em risco e ao acompanhamento e encaminhamento das famílias”.

Ainda de acordo com Francisca Parreira, a Câmara de Almada já assegurou alojamento em novas casas para 26 famílias, havendo 14 agregados familiares já com casa reservada, mas que aguardam pelas ligações de luz e água.

Outros nove agregados recusaram a casa ou outras soluções de alojamento temporário propostas pelo município, existindo ainda duas famílias para as quais o município ainda não encontrou casas disponíveis no mercado.

Todas as famílias que ainda não têm casa atribuída estão alojadas temporariamente em unidades hoteleiras de Almada e de Lisboa, segundo a autarquia.

Contudo, apesar de a Câmara de Almada ter dado por concluída a operação de demolição das construções sobre a linha de água que atravessa o bairro do 2.º Torrão, algumas construções não foram demolidas porque os moradores interpuseram providências cautelares.

Segundo Francisca Parreira, até hoje a Câmara de Almada já foi notificada para responder a, pelo menos, seis providências cautelares, sendo que algumas famílias, que recusaram as soluções alternativas propostas pelo município, decidiram permanecer no interior das construções em situação de risco.

O bairro do .2º Torrão, em Almada, já existe há mais de 40 anos e tem atualmente centenas de construções clandestinas, mas a operação de demolição, que decorreu de 01 a 06 de outubro, foi apenas para prevenir situações de risco de derrocada das construções sobre uma linha de água que atravessa o bairro.

A Câmara de Almada identificou 60 agregados familiares nas construções sobre a vala, mas concluiu que nove famílias tinham uma segunda habitação na Área Metropolitana de Lisboa, pelo que não têm direito ao acompanhamento e à procura de nova habitação por parte do município.

A autarquia tem a decorrer o processo para a construção de 95 novos fogos, com projeto de arquitetura já aprovado, para acolher, a título definitivo, os moradores do 2.º Torrão que agora foram obrigados a abandonar as casas por razões de segurança.

De acordo com as estimativas do município, os encargos com o alojamento temporário das famílias, que deverá prolongar-se por um período de cerca de dois anos, até que as novas casas sejam construídas, poderão ser "de um a 1,5 milhões de euros", montante que será suportado pelo Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) e pela Câmara Municipal de Almada.

País

Mais País

Patrocinados