Estes são os alimentos ultraprocessados que deve evitar, de acordo com um estudo realizado ao longo de 30 anos

CNN , Madeline Holcombe
18 mai, 10:00
Mais de 70% da oferta alimentar dos Estados Unidos é constituída por alimentos ultraprocessados, de acordo com uma investigação. jenifoto/iStockphoto/Getty Images

O consumo de alimentos ultraprocessados está associado a um risco de morte precoce, de acordo com um estudo realizado ao longo de 30 anos - mas diferentes alimentos têm impactos distintos.

Os alimentos ultraprocessados são aqueles que contêm ingredientes "nunca ou raramente utilizados nas cozinhas, ou classes de aditivos cuja função é tornar o produto final palatável ou mais apelativo", de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

Esses ingredientes - encontrados em produtos como refrigerantes, batatas fritas, sopas embaladas, nuggets e gelados - podem incluir conservantes contra bolores ou bactérias, corantes artificiais, emulsionantes para impedir a separação e açúcar, sal e gorduras adicionados ou alterados para tornar os alimentos mais apelativos.

As carnes processadas e os alimentos e bebidas açucarados não estão relacionados com os mesmos riscos que os cereais integrais ultraprocessados, por exemplo, explica o autor principal do estudo, Mingyang Song, professor associado de epidemiologia clínica e nutrição na Escola de Saúde Pública TH Chan de Harvard.

O estudo analisou dados de mais de 100 mil profissionais de saúde dos Estados Unidos, sem antecedentes de cancro, doenças cardiovasculares ou diabetes. De 1986 a 2018, os participantes forneceram informações sobre a sua saúde e hábitos de vida de dois em dois anos.

De quatro em quatro anos, preencheram um questionário alimentar pormenorizado.

O grupo que consumia menos alimentos ultraprocessados comia, em média, cerca de três porções por dia, enquanto o grupo que consumia mais comia, em média, sete porções por dia, de acordo com o estudo publicado na quarta-feira na revista The BMJ.

Os que comiam mais tinham um risco 4% maior de morte por qualquer causa, incluindo um risco 9% maior de morte por doenças neurodegenerativas, segundo os dados.

Foi demonstrado que as carnes ultraprocessadas têm um impacto maior no risco de morte do que muitos outros tipos de alimentos ultraprocessados (Adam Höglund/iStockphoto/Getty Images)

Song descreveu a correlação como "moderada", observando que a ligação não era igualmente forte entre todos os tipos de alimentos ultraprocessados.

"A associação positiva é principalmente impulsionada por alguns subgrupos, incluindo carne processada e bebidas adoçadas com açúcar ou artificialmente adoçadas", disse.

As conclusões deste estudo foram consistentes com centenas de outros no terreno, mas o que torna este estudo único é a análise de diferentes subgrupos dentro da categoria de alimentos ultraprocessados, diz Marion Nestle, professora emérita Paulette Goddard de nutrição, estudos alimentares e saúde pública na Universidade de Nova Iorque.

Precisamos de nos livrar de todos os alimentos ultraprocessados?

Song não aconselha necessariamente uma rejeição completa de todos os alimentos ultraprocessados porque se trata de uma categoria diversificada.

"Os cereais e os pães integrais, por exemplo, também são considerados alimentos ultraprocessados, mas contêm vários nutrientes benéficos, como fibras, vitaminas e minerais", afirma. "Por outro lado, acho que as pessoas devem tentar evitar ou limitar o consumo de certos alimentos ultraprocessados, como carne processada, bebidas adocicadas com açúcar e também bebidas potencialmente adocicadas artificialmente."

Existem ainda outras questões que precisam de ser respondidas no que diz respeito aos alimentos ultraprocessados.

Em primeiro lugar, o estudo recente é forte devido ao período de tempo abrangido, mas é um estudo observacional. Isso significa que, embora os investigadores possam observar uma correlação, não podem dizer que os alimentos foram a causa das mortes, diz Peter Wilde, membro emérito do Quadram Institute Bioscience no Reino Unido.

Os investigadores também precisam de analisar melhor os componentes dos alimentos ultraprocessados que podem estar a afetar a saúde - sejam eles aditivos alimentares, emulsionantes ou sabores - para aconselhar os governos e as instituições sobre como regular os alimentos, acrescenta Song.

A dieta é o mais importante

Os investigadores também descobriram que o fator mais importante para reduzir o risco de morte é a qualidade da dieta geral de uma pessoa.

"Se as pessoas mantiverem uma dieta geralmente saudável, não creio que precisem de ter medo ou de se assustar", sublinha Song. "O padrão alimentar geral continua a ser o fator predominante que determina os resultados em termos de saúde."

Uma dieta saudável é variada, com o maior número possível de frutas e vegetais coloridos e grãos integrais, assinala Wilde.

"Se está preocupado com os aditivos alimentares, escolha alimentos que tenham baixos níveis de aditivos", acrescenta, numa resposta enviada por email. "Basta estar atento ao conteúdo nutricional (dos alimentos ultraprocessados) que você escolhe consumir.

Também é importante reconhecer que os alimentos precisam de ser consumidos em equilíbrio. O sumo de fruta contém vitaminas, minerais e antioxidantes benéficos quando consumido com moderação, mas em excesso terá níveis elevados de açúcar que podem anular os seus benefícios.

"Isto não é preto e branco", completa Wilde. "Um determinado alimento não é bom nem mau, contém elementos de ambos, e o equilíbrio entre os dois pode depender da quantidade que se come".

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados