O novo superalimento faz bem aos humanos e ao planeta

CNN , Casey Barber
24 jul, 11:01
Algas marinhas para comer

Quando a maioria de nós lê as palavras "dieta à base de plantas", tendemos a pensar em alimentos como saladas de couve e tigelas de cereais ou substitutos modernos da carne. Mas há uma opção sem carne que está a ganhar tração como o mais novo superalimento: a alga marinha.

As algas marinhas, sim, as fitas verde-acastanhadas e os molhos de matéria vegetal oceânica que se lavam nas praias são, de facto, comestíveis. Nori, a folha parecida com papel utilizada para embrulhar rolos de sushi e para decorar tigelas de ramen, é provavelmente a mais conhecida e apreciada alga, mas estas grandes e frondosas algas existem em centenas de variedades coloridas, incluindo wakame, kombu, dulse vermelho e algas açucaradas.

As algas marinhas ajudam a sustentar outras vidas marítimas e a limpar a água que a rodeia. Quando fora de água, pode trazer mais nutrição e minerais às nossas dietas.

"Apesar de tentarmos ter uma dieta saudável, estamos a contar com uma agricultura baseada no solo, na maior parte das vezes", disse Sarah Redmond, fundadora e proprietária da Springtide Seaweed em Gouldsboro, Maine. "As algas marinhas são uma alternativa muito interessante porque fornecem os nutrientes que são realmente difíceis de encontrar noutras plantas terrestres."

Com várias empresas a fornecerem alimentos à base de algas ao mercado, começa a ficar mais fácil do que nunca saborear o mar. Eis a razão por que todos nós podemos beneficiar das algas.

Bom para os seres humanos e para o ambiente

Para os humanos, as algas marinhas são um elemento único para as nossas necessidades de nutrientes cruciais. "As algas marinhas são uma excelente fonte de fibras e minerais dietéticos", afirmou Mary Ellen Camire, professora de ciência alimentar e nutrição humana na Universidade do Maine.

Apesar de os perfis nutricionais variarem ligeiramente entre variedades verdes, castanhas e vermelhas, na generalidade, as algas contêm uma série de vitaminas, incluindo B, C, E e K, ácidos gordos ómega 3, proteínas, aminoácidos, polifenóis e 10 vezes mais minerais do que plantas terrestres, de acordo com um estudo recente. Estes minerais essenciais incluem ferro, cálcio e iodo.

"As algas marinhas têm uma capacidade de concentrar todos os vestígios de minerais no oceano a que não conseguimos aceder", disse Redmond. "Elas são uma espécie de alimento equilibrado com que podemos devolver alguns desses oligoelementos ao nosso corpo e às nossas dietas."

E quando utilizadas como fertilizante na agricultura terrestre, as algas marinhas podem adicionar esses nutrientes essenciais de volta ao solo, melhorando a sua saúde.

As algas marinhas são um elemento único para as necessidades de nutrientes cruciais. As algas wakame também adicionam sabor à sopa de miso.

No entanto, não precisa de encher o seu prato alto com algas marinhas porque pode absorver grandes quantidades de minerais. "Algumas algas castanhas, como as algas açucaradas cultivadas na Nova Inglaterra, são muito ricas em iodo", disse Camire. "Têm tanto iodo que os consumidores são aconselhados a comê-las menos do que três vezes por semana."

Uma vez que a concentração de nutrientes específicos em algas pode interagir com vários medicamentos, consulte o seu médico se tem um problema de tiroide ou se toma anticoagulantes, antes as consumir.

As algas marinhas são tão benéficas para os sistemas de água como para a nossa saúde pessoal. A captura de carbono pode ser o chavão do momento na luta para mitigar a crise climática, mas as algas têm-no feito naturalmente durante tempo todo. "As algas extraem dióxido de carbono da atmosfera e utilizam-no para fabricar mais hidratos de carbono", disse Camire. "Não temos a certeza de quanta agricultura de algas seria necessária para ter um efeito significativo no aquecimento global, mas ajuda."

As algas marinhas também funcionam como um componente da aquicultura regenerativa consumindo azoto e fósforo, dois elementos que podem prejudicar o oceano quando encontrados em grandes quantidades. "As algas marinhas também fornecem um lugar para pequenas criaturas marinhas se esconderem dos predadores", estabelecendo ambientes de refúgio que podem ajudar a restaurar a vida marinha diversificada em habitats de sobrepesca, afirmou Camire.

Melhor ainda: As algas não requerem fertilizantes ou pesticidas para crescer no oceano, quer sejam lá cultivadas ou colhidas no local.

Como adicionar algas marinhas às suas refeições diárias

Pronto, agora podem estar convencidos de que vale a pena provar algas. Mas não há necessidade de ir "à caça" delas. Certifique-se de que os produtos de algas marinhas que está a adquirir são orgânicos ou testados para o conteúdo de metais pesados, disse Camire, porque "alguns tipos de algas marinhas são mais propensos a ter metais pesados como cádmio, chumbo e arsénio".

Além de comer muitos rolos de temaki e snacks de algas embaladas ou adicionar mais folhas nori ao seu ramen, existem várias maneiras de incorporar algas comestíveis na sua rotina de refeição.

Os rolos de sushi são embrulhados em folhas de papel chamadas nori. Aqui, o wakame decora o topo dos rolos de sushi.

A Springtide Seaweed seca ao ar as algas para de seguida serem moídas em pó para temperos como algas italianas e tempero Red Bay, que pode ser polvilhado em tudo, desde pipocas a pão de alho. Adicione fitas de algas secas a sopas, guisados ou qualquer prato onde tenha salteado couve e outras verduras frondosas. "Tentamos colocar algas marinhas de uma forma fácil para as pessoas usarem e incorporarem na sua dieta", disse Redmond.

Quer algas para o pequeno-almoço? A Atlantic Sea Farms, outro produtor de algas do Maine, incorpora algas em cubos de smoothie congelados ao lado de frutas ricas em antioxidantes, como arandos e mirtilos. Se lhe apetecer picante, experimente um pouco do kimchi à base de algas. Para aumentar o sabor picante, adicione um pouco de molho picante de algas da Barnacle Foods do Alasca.

Ou se preferir as suas algas na grelha, a Akua faz hambúrgueres de algas e algas moídas, que podem ser transformados em almôndegas, utilizadas em tacos ou em qualquer outro lugar onde a carne moída normalmente aparece no menu.

Pode até consumir algas marinhas que satisfazem os gulosos na forma de barras de chocolate de algas (simples ou com batatas fritas) ou fazendo suas próprias bolachas de chocolate que levam alga em pó na mistura.

Gastronomia

Mais Gastronomia

Na SELFIE

Patrocinados