Subida em flecha dos custos de energia está a atacar ferozmente a indústria alemã

CNN , Anna Cooban
7 out, 18:26
Indústria alemã Alemanha pesada Fábrica de aço Foto Sean Gallup/Getty Images

“Não precisamos de uma bola de cristal para assistir a um enfraquecimento adicional da indústria alemã nos próximos meses”, diz economista-chefe do ING.

A Alemanha está a preparar-se para um Inverno duro, com a subida dos preços da energia a ameaçar deixar cicatrizes permanentes no sector industrial, motor fundamental da sua economia.

A produção industrial caiu 0,8% em agosto em relação ao mês anterior, de acordo com dados preliminares divulgados pelo gabinete de estatística do país esta sexta-feira. Os estrangulamentos na cadeia de abastecimento causados pela crise do coronavírus e a guerra na Ucrânia continuam a pesar sobre os produtores, disse o gabinete.

Mas os sectores intensivos em energia, que incluem os produtores de químicos, vidro e metais, sofreram um agravamento ainda maior, tendo caído mais de 2% a partir de julho.

Carsten Brzeski, economista chefe do banco ING Alemanha, disse numa nota esta sexta-feira que uma contração económica é “inevitável”, enquanto os preços da energia se mantinham elevados.

“Não precisamos de uma bola de cristal para assistir a um enfraquecimento adicional da indústria alemã nos próximos meses. O impacto total do aumento dos preços da energia só será sentido nos últimos meses do ano”, disse ele.

Os preços da energia começaram a subir no último outono, e depois dispararam ainda mais alto quando a Rússia invadiu a Ucrânia em finais de fevereiro, provocando um impasse energético entre a Europa e Moscovo.

A indústria transformadora alemã - que representa mais de um quinto da produção económica do país - está preocupada com o facto de algumas das suas empresas poderem não conseguir ultrapassar a crise. Muitas estão a cortar a produção, enquanto algumas estão a despedir pessoal e a deslocalizar partes das suas operações para o estrangeiro para fazer face à crise.

Frederick Persson, chefe executivo para a Europa Central e de Leste do Grupo Prysmian, um fabricante de cabos de propriedade italiana, disse à CNN que os custos energéticos estavam “numa escala como nunca vi antes”.

"[A Energia] passou de ser... um custo entre vários no negócio, para ser algo que tem a capacidade de basicamente fechar o negócio", disse ele.

Os custos de energia nas seis fábricas alemãs da Prysmian deverão subir para 20 milhões de euros este ano, contra apenas cinco milhões de euros em 2021. No próximo ano, prevê-se que os custos atinjam 35 milhões de euros - um aumento de 600% a partir de 2020.

A empresa depende do gás natural para alimentar as suas máquinas, mas os preços por grosso na Alemanha subiram quase 400% no ano até ao início de setembro, embora desde então tenham recuado, mostram os dados do Independent Commodity Intelligence Services.

Apesar de uma corrida bem sucedida para encher instalações de armazenamento de gás antes do Inverno – os armazenamentos alemães estão atualmente 93% cheios, segundo a Gas Infrastructure Europe -, os custos da energia continuam a alimentar a inflação dos preços ao consumidor, que saltou para 10% em setembro.

Sem o seu abastecimento habitual de gás russo, o país é suscetível de esgotar severamente os seus armazenamentos durante o Inverno - e continuar a pagar preços muito elevados no próximo ano - mesmo assumindo que as famílias e as empresas consigam reduzir o seu consumo, disse Stefan Schneider, economista chefe alemão do Deutsche Bank Research, num relatório da semana passada.

Preços a subir na Europa
Os preços do gás natural na Europa (linha tracejada) e os do mercado grossista de eletricidade na Alemanha (linha cheia) subiram significativamente desde que as economias abriram dos confinamentos pandémicos e que a guerra na Ucrânia levou a cortes nas importações russas

Marc Schattenberg, economista sénior do banco, disse à CNN que espera ver até dois milhões de trabalhadores de licença na próxima Primavera, à medida que os seus empregadores lutam contra os preços elevados e a escassez de gás. Isso é cerca de um terço dos números que foram divulgados no auge da pandemia, em abril de 2020.

A Prysmian já fez cortes permanentes nos seus trabalhadores. Persson disse ter despedido cerca de 10% do pessoal na sua região, que abrange a Alemanha, Roménia, Hungria e República Checa, nos últimos três meses.

Tal como noutras grandes economias, a perspetiva de uma recessão profunda na Alemanha está a tornar-se cada vez mais provável. Isto poderá anunciar um declínio mais amplo no sector industrial do país, que emprega 7,5 milhões de pessoas.

Prevê-se que a produção industrial diminua 2,5% este ano, e cerca de 5% em 2023, de acordo com o Deutsche Bank.

"Poderemos considerar este momento como o ponto de partida para uma desindustrialização acelerada na Alemanha", escreveu num relatório Eric Heymann, economista sénior do banco.

Sobrevivendo ao Inverno

As empresas que necessitam de grandes quantidades de energia estão a lutar para encontrar formas de se manterem à tona da água. Nem todas estão a ser bem sucedidas.

De acordo com um inquérito realizado no mês passado pela Confederação das Indústrias Europeias do Papel (CEPI), dois terços dos produtores de papel do continente reduziram a sua produção, enquanto pouco mais de metade fechou temporariamente.

O fabrico de papel necessita de muita energia, 24 horas por dia, 7 dias por semana, para evaporar grandes quantidades de água. A Hakle, um fabricante de papel higiénico na Alemanha, culpou os elevados custos de energia e de material pela sua insolvência no mês passado.

"Sobreviver este Inverno vai ser um desafio", disse Malgosia Rybak, diretora de clima e energia da CEPI à CNN.

Muitos fabricantes alemães são pequenas e médias empresas - parte da "Mittelstand" do país - e são frequentemente familiares e profundamente integrados nas suas comunidades. São menos capazes de absorver choques nos preços da energia do que os gigantes da indústria.

Mas grandes empresas como a Prysmian, um dos maiores produtores mundiais de cabos, também estão a lutar. Persson disse ter reduzido a produção na sua região em 5% nos últimos seis meses.

Há apoios à mão. O governo alemão prometeu até agora gastar quase 300 mil milhões de euros para ajudar milhões de famílias e empresas a fazer face ao aumento dos preços. Cerca de 200 mil milhões de euros desse apoio poderiam ser financiados através de empréstimos governamentais.

Tais somas avassaladoras têm suscitado críticas. Claude Turmes, ministro da Energia do Luxemburgo, disse na semana passada que os donativos representavam uma “corrida louca” por parte dos governos para se ultrapassarem uns aos outros.

“Há o risco de que, essencialmente, ao subsidiar a sua indústria vidreira a Alemanha mate a indústria vidreira checa", disse Georg Zachmann, membro sénior do grupo de pensamento Bruegel à CNN.

“Se um país pode, essencialmente, dar-se ao luxo de superar todos os outros no mercado da energia, sim, é um problema”, disse ele.

Mudar para o estrangeiro

Apoios generosos podem estar a causar problemas com os parceiros da UE, mas a Alemanha acredita que o coração da sua gigantesca economia está em jogo. Alguns fabricantes já estão a deslocar partes das suas operações para o estrangeiro.

As empresas têm confiado no fluxo constante de gás barato proveniente da Rússia desde os anos 90 para abastecer as suas fábricas. Essa fonte de energia está agora a "desaparecer", disse Zachmann, forçando as empresas a encontrar fontes alternativas, ou a deslocalizar atividades intensivas de energia para outros países.

A Prysmian fez precisamente isso. No início do ano passado, Persson transferiu a produção de condutores de cabos a gás das fábricas alemãs para a Hungria e a República Checa, para poupar dinheiro. Ele começou a comprar peças da Turquia, em vez de as fabricar internamente, para reduzir o consumo de energia.

“[Estamos] a tentar afastar-nos da Alemanha [para produtos de energia intensiva] pela simples razão de que é muito difícil para nós manter a produção", disse ele.

Pressões semelhantes podem ser observadas noutras partes da Europa. A alemã BASF e a norueguesa Yara International, dois gigantes químicos, reduziram a sua produção de amoníaco - um ingrediente chave em fertilizantes - no continente devido aos elevados preços do gás. A produção europeia de amoníaco da Yara International está a funcionar a apenas 35% da sua capacidade, disse o CEO da empresa, Svein Tore Holseter, à CNN.

Na indústria automóvel da Alemanha, há primeiros indícios de uma mudança mais permanente.

De acordo com um inquérito realizado em setembro pela VDA, a associação alemã da indústria automóvel, 85% dos fabricantes de automóveis veem o país como um local não competitivo devido aos elevados preços da energia e ao fornecimento inseguro. Apenas 3% das empresas afirmaram que planeiam investir no país, enquanto 22% pretendem transferir os seus investimentos para o estrangeiro.

Mas alguns analistas estão céticos quanto aos danos que a crise atual irá infligir a longo prazo.

"Os ramos intensivos em energia [da indústria] irão deslocalizar-se, uma vez que os preços da energia se manterão estruturalmente em níveis mais elevados. Mas, no total, não esperamos uma desindustrialização total da economia", disse Stefan Kooths, diretor de pesquisa do Instituto Kiehl para a Economia Mundial, à CNN.

O Schattenberg do Deutsche Bank está esperançoso, e vê os próximos dois anos como um período de ajustamento.

"A indústria alemã, as chamadas 'Mittlestand', as pequenas e médias empresas, são bastante resilientes e adaptáveis", disse ele.

Europa

Mais Europa

Patrocinados