Comediante revelou ligações à Rússia do chefe de cibersegurança da Alemanha. Governo demitiu-o com efeitos imediatos

19 out, 11:56
Arne Schönbohm, antigo presidente do gabinete de cibersegurança da Alemanha (Foto: Rolf Vennenbernd/Picture Alliance via Getty Images)

Chefe do gabinete federal alemão para a segurança da informação ajudou a fundar associação lobista de empresas de cibersegurança antes de assumir o cargo. Uma das empresas é subsidiária da russa Infotecs, fundada por um ex-funcionário do KGB condecorado por Putin

Arne Schönbohm, o presidente do gabinete federal alemão para segurança da informação, dedicado à cibersegurança, foi despedido depois de o comediante Jan Böhmermann ter salientado, no seu programa de sátira, que o responsável teria mantido ligações com uma empresa russa no seu cargo anterior. 

Schönbohm foi demitido com efeitos imediatos esta terça-feira, avançou a revista alemã Der Spiegel. O despedimento foi entretanto confirmado por fonte do Ministério do Interior da Alemanha: a porta-voz, Nancy Faeser, revelou que presidente demitido será mesmo impedido de voltar ao seu escritório, uma vez que "a necessária confiança pública na neutralidade e imparcialidade da sua liderança como presidente da mais importante agência de cibersegurança alemã foi prejudicada". 

Arne Schönbohm estava à frente deste organismo desde 2016; antes ajudara a fundar o conselho de cibersegurança da Alemanha, grupo lobista registado como associação de voluntários e do qual fazem partes várias empresas da área da cibersegurança. Entre estas conta-se a Protelion, antes conhecida como Infotecs, subsidiária de uma empresa russa fundada por um antigo funcionário do KGB que chegou a receber uma medalha de Putin pelos seus serviços ao Kremlin, refere o The Guardian

Ainda que o comediante não tenha dito, na sua rábula, que Arne Schönbohm mantinha ligações à Protelion, soube-se entretanto que o ex-chefe da cibersegurança da Alemanha tinha sido incentivado a distanciar-se do grupo lobista do qual tinha sido fundador mas que ainda em setembro passado tinha marcado presença na festa do 10.º aniversário da associação. 

"A empresa russa Infotecs, que quer proteger as nossas infraestruturas críticas de ciberataques russos, trabalha com os serviços russos de informação", disse Böhmerman no seu programa. "Os agentes russos usam a Infotecs, que sob o nome Protelion GmbH vende às empresas alemãs software de segurança", salientou o humorista.

Depois do programa de Böhmerman, o conselho de cibersegurança da Alemanha expulsou a Protelion da sua lista de membros mas garantiu que as alegações de estar sob influência russa são "absurdas". O que não impediu que outras empresas na área da tecnologia, nomeadamente a TeamViewer, tenham decidido entretanto deixar de ser associadas do grupo.

Europa

Mais Europa

Patrocinados