Morreu aos 92 anos Alain Tanner, importante realizador da Nouvelle Vague suíça

Agência Lusa , AG
11 set, 16:59
Alain Tanner (Vittorio Zunino Celotto/Getty Images)

Entre as suas obras mais conhecidas estão “A Salamandra”, “Jonas que terá 25 anos no ano 2000”, “Os Anos de Luz” ou ainda “A Cidade Branca”

O realizador suíço Alain Tanner, considerado um pioneiro do movimento cinematográfico Nouvelle Vague no seu país, morreu este domingo aos 92 anos, anunciou a associação com o nome do realizador.

“Reconhecido internacionalmente, Alain Tanner foi uma das figuras-farol do cinema suíço e esteve na origem do novo cinema suíço nos anos de 1970, na companhia dos seus colegas Michel Soutter, Claude Goretta, Jean-Louis Roy e Jean-Jacques Lagrange”, escreveu a associação num comunicado divulgado “em concertação com a sua [de Alain Tanner] família”.

O “Grupo dos Cinco” suscitou uma renovação da sétima arte helvética, refletindo o espírito de inconformismo da época.

“Carlos, Morto ou Vivo”, a primeira longa-metragem, estreada em 1969, de Alain Tanner, marca o início do cinema politicamente comprometido na Suíça.

O filme, que conta a história de um homem de negócios que decide abandonar a vida capitalista tradicional para levar uma existência à margem da sociedade, num momento em que as manifestações de estudantes estavam ao rubro, conquistou o primeiro prémio do festival de Locarno.

Entre as suas obras mais conhecidas estão “A Salamandra”, “Jonas que terá 25 anos no ano 2000”, “Os Anos de Luz”, que conquistou o Grande Prémio Especial do Júri no Festival de Cannes de 1981, ou ainda “A Cidade Branca”.

Com um total de mais de 20 filmes, Alain Tanner começou a sua carreira no final dos anos 1950.

De acordo com o ‘site’ da Associação Alain Tanner, o realizador afirmou que se considerava sortudo por ter vivido naquela época.

Artes

Mais Artes

Patrocinados