Tribunal indiano condena 38 pessoas à morte pelos atentados à bomba em 2008

Agência Lusa , RL
18 fev, 08:56
Ataques em Ahmedabad

Atentados provocaram a morte a 56 pessoas e mais de 200 ficaram feridas

Um tribunal indiano condenou esta sexta-feira 38 pessoas à morte no julgamento dos atentados à bomba de Ahmedabad, na Índia ocidental, onde morreram 56 pessoas e mais de 200 ficaram feridas, em 2008.

Outros 11 acusados foram condenados a prisão perpétua, disse aos jornalistas o procurador especial Amit Patel.

A 8 de fevereiro, 49 pessoas foram condenadas por homicídio e conspiração numa série de atentados à bomba, em 26 de julho de 2008.

O tribunal absolveu outros 28 acusados, por falta de provas.

Um total de 77 pessoas estiveram no banco dos réus, num julgamento que se arrastou quase dez anos, durante o qual foram chamadas mais de 1.100 testemunhas.

Os ataques foram reivindicados pela organização fundamentalista islâmica Indian Mujahideen, numa retaliação aos confrontos intercomunitários em Ahmedabad, em 2002, nos quais morreram cerca de duas mil pessoas, principalmente muçulmanos.

A violência foi desencadeada pela morte de 59 hindus num incêndio num comboio, cuja responsabilidade foi inicialmente imputada aos muçulmanos.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, na altura era o chefe do governo do estado de Gujarat, foi acusado de inação face à violência.

Em 2008, a Índia foi atingida por uma onda de explosões, em Nova Deli e na cidade turística do norte de Jaipur, reivindicada pelos Indian Mujahideen.

Em novembro do mesmo ano, em Mumbai, a capital financeira da Índia, 166 pessoas foram mortas e centenas feridas em três dias de ataques com espingardas de assalto AK-47 e granadas desencadeado por um grupo extremista baseado no Paquistão.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados