O país que está a mostrar ao mundo como poupar água

CNN , Opinião de Seth M. Siegel
25 set, 22:00
Tel Aviv (Israel)

OPINIÃO. Nota do Editor: Seth M. Siegel é o autor de “Let There Be Water: Israel’s Solution for a Water-Starved World” e “Troubled Water: What’s Wrong with What We Drink”. Atualmente é o Diretor de Sustentabilidade da N-Drip, uma empresa que desenvolveu tecnologia de poupança de água para uso agrícola. As opiniões expressas neste comentário são as suas

Temperaturas elevadas e relatórios de escassez de água são notícia de primeira página, já que a seca causada pelas alterações climáticas está a criar problemas a longo prazo para os agricultores e comunidades nos Estados Unidos e em todo o mundo. Sem um abastecimento adequado de água, os agricultores estão a ser forçados a plantar menos para conservarem a água de que necessitam para passar mais um ano de seca prolongada. As consequências serão preços mais elevados dos alimentos nos Estados Unidos, mas também instabilidade social em países que são importantes para os Estados Unidos.

Por mais assustador e insuperável que possa parecer um desafio como a escassez crónica e crescente de água, existem soluções que nos podem salvar desta crise.

Um pequeno país numa das regiões mais secas do mundo está entre aqueles que desenvolveram políticas e técnicas para fornecer água, tanto nas cidades como nas quintas. Esse país é Israel. E com a seca a tornar-se o novo normal, seria sensato que as autoridades políticas prestassem atenção ao que Israel fez, e iniciassem o processo de criação das suas próprias sociedades autossustentáveis no fornecimento de água, menos dependentes de chuvas que podem nunca mais vir.

Embora Israel obtenha quase toda a sua água da torneira a partir de estações de dessalinização ao longo da costa do Mar Mediterrâneo, e grande parte da sua água para a agricultura seja fornecida através da purificação e reutilização dos esgotos da nação, recusa-se a confiar numa única estratégia ou tecnologia para satisfazer as suas necessidades de água.

Esta abordagem de “todas as opções possíveis” leva à resiliência desta redundância intencional, mas também abre a porta à inovação e à assunção de riscos que muitas vezes resultaram em avanços revolucionários a nível mundial.

Israel tornou-se uma nação em maio de 1948, mas décadas antes, enquanto se encontrava sob o controlo do Mandato Britânico, a liderança sionista começou a dar prioridade à excelência na água, juntamente com a política de defesa e imigração. Na maioria dos países, os temas (nada românticos) das infraestruturas e tecnologia da água estão entregues às mãos de funcionários de nível médio e de outros membros mais júniores do governo. Mas ler os diários dos fundadores de Israel é ver o interesse diário, quase obsessivo, em acertar a política da água. Por exemplo, muito antes de se ter dado início à dessalinização em Israel, o primeiro Primeiro-Ministro do país, David Ben-Gurion, escreveu frequentemente sobre a perspetiva de “dessalinizar o mar” a fim de “fazer florescer o deserto”.

Nem tudo o que Israel faz é relevante em todo o lado. Devido à sua pequena dimensão, aproximadamente a área terrestre de Nova Jérsia, pode concretizar as medidas tomadas mais facilmente do que os países pobres em água de vastas dimensões. Do mesmo modo, ao ter uma longa linha costeira e a maior parte da sua população dentro de um alcance relativamente fácil das instalações de dessalinização do país, proporciona oportunidades que não estão disponíveis em todo o lado.

Mas parte do que Israel faz, todos podem fazer - pelo menos, em teoria.

Em primeiro lugar, Israel cobra o preço real da água. (Embora o custo seja subsidiado para aqueles que recebem assistência social; todos os outros pagam o preço total). Através da utilização das forças do mercado, os consumidores, os agricultores e a indústria estão sempre à procura de formas de conservar a água, ou de utilizar tecnologias que conduzam ao uso mais eficiente possível da água.

Na maior parte do mundo, a água é profundamente subsidiada, o que leva a um enorme desperdício de água devido à sua utilização excessiva. Como exemplo, porque ao preço total do mercado é mais barato consertar canos com fugas do que desperdiçar a água, Israel tem um fator de fuga invulgarmente baixo, de cerca de 7-8%. Mesmo nos EUA, há comunidades com condutas de água que perdem até 50% da água que passa através das mesmas.

O sucesso de Israel na água está também ligado à decisão de colocar a administração da água do país nas mãos de tecnocratas apolíticos. A sua função é levar água da mais alta qualidade ao maior número de pessoas possível. O preço é um fator, mas não o único. Em comparação, em algumas cidades dos EUA, os presidentes de câmara sabem que os seus eleitores podem ver um aumento nas taxas da água como um aumento de facto dos impostos. Isto resulta em taxas de água suprimidas, e com isso a incapacidade de modernizar as instalações com o melhor equipamento e software, e a dificuldade em atrair e reter engenheiros altamente qualificados.

Israel também difere de grande parte do mundo na sua abordagem à agricultura. Décadas atrás, a irrigação por inundação - que embebe o solo inundando os campos com água - foi desencorajada pelo governo, pondo efetivamente fim a esta prática. No entanto, em todo o mundo, 85% dos campos irrigados utilizam a irrigação por inundação, uma prática que remonta ao tempo do antigo Egipto e à inundação da bacia do rio Nilo.

Enquanto se pode pensar que este método desperdiçador e insustentável está em uso apenas em países menos desenvolvidos, aqui nos EUA, inundamos milhões de hectares na Califórnia, Texas, e mesmo no sudoeste ressequido. Os agricultores têm poucos incentivos para mudar para a tecnologia de poupança de água porque podem continuar a utilizar água como se fosse tão abundante e inesgotável como a luz do sol ou o ar. No Arizona, por exemplo, 89% da irrigação utilizada é por inundação, e nos estados da bacia do rio Colorado, que está em rápido esgotamento, existem cerca de seis milhões de hectares que continuam a desperdiçar anualmente triliões de litros por inundação de campos.

Assim sendo, a tecnologia israelita pode vir salvar o sudoeste dos EUA. A irrigação por gotejamento, de baixo custo e alimentada por gravidade, desenvolvida por um cientista israelita, foi já implantada em milhares de hectares no Arizona e noutros locais. (Por uma questão de transparência: eu trabalho com a empresa deste cientista). A tecnologia poupa metade da água anteriormente necessária para os campos irrigados por inundação, enquanto melhora os rendimentos e reduz a necessidade de fertilizantes que poluem a água. Esta nova abordagem é semelhante à forma mais familiar de irrigação gota-a-gota inventada em Israel há mais de 60 anos. Mas este sistema utiliza a gravidade como fonte de energia, eliminando a utilização de energia externa contínua e as despesas.

Tem-se dito que as guerras do século XXI serão travadas por causa da água. Isso pode ser verdade, mas é mais barato e mais inteligente que cada região e país que sofre de stress hídrico transforme a forma como utiliza a sua água. Isso tem de começar por mudar a forma como pensamos sobre a nossa água. E nisso, cada país - rico ou pobre, grande ou pequeno, sem litoral ou com um longo litoral - pode aprender com o que Israel tem feito.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados