"Insustentável e caótico": o grito dos assistentes de bordo contra o caos das viagens de avião (e quatro conselhos para quem vai viajar)

CNN , Francesca Street
3 ago, 21:13
Caos no aeroporto (CNN)

Assistentes de bordo estão exaustos, dizem que nunca tiveram dias tão longos e noites tão curtas, e pedem mudanças de fundo no transporte aéreo

A assistente de bordo britânica Kris Major trabalha na aviação há mais de duas décadas. E viu a indústria sofrer e recuperar na sequência do 11 de Setembro, do SARS e da febre aftosa.

Agora, Major está na linha da frente do que considera ser a pior crise da aviação até hoje: o caos das viagens do verão de 2022. Major, que exerce a presidência da Comissão Conjunta de Tripulantes de Aviação da Federação Europeia dos Trabalhadores dos Transportes, em representação dos assistentes de bordo e pilotos europeus, diz que a tripulação de voo está em combate.

"É completamente insustentável como trabalho", diz Major à CNN.

À medida que os viajantes globais regressam em massa aos céus, após uma pausa forçada por uma pandemia, as companhias aéreas e aeroportos de todo o mundo estão a lutar para fazer corresponder a oferta à procura.

O resultado são voos cancelados a torto e a direito, bagagem extraviada e viajantes a perder a confiança na indústria da aviação como um todo. Na opinião da Major, é "absolutamente caótico".

As suas palavras têm eco em assistentes de bordo de todo o mundo.

"A falta de pessoal, atrasos, cancelamentos, falta de bagagem -- penso que é uma situação muito difícil para todos", diz o comissário de bordo da Lufthansa Daniel Kassa Mbuambi à CNN.

"Há algum tipo de colapso a acontecer, que acredito que deveria ser evitável", é a forma como a assistente americana Allie Malis, põe a questão.

A linha da frente nos céus

Quando a aviação paralisou nos primeiros dias da pandemia, a maioria das companhias aéreas e aeroportos dispensaram ou despediram muitos trabalhadores de terra e do ar. Muitas companhias aéreas operaram com pouco pessoal durante a maior parte dos últimos dois anos.

Agora, a procura de viagens está de volta, e a indústria está a lutar para recuperar o atraso e voltar a contratar. Para as assistentes de bordo que ainda estão nos quadros, é uma "situação muito difícil", diz Kassa Mbuambi, da Lufthansa, que é também presidente do sindicato alemão de pessoal de bordo UFO.

A tripulação diz que esta tensão significa ocasionalmente operar um voo com o mínimo de pessoal a bordo, como descreve Kassa Mbuambi, ou ter tripulação aérea a dormir nos aeroportos, como conta Allie Malis.

Malis, que é também representante para assuntos governamentais na Associação de Assistentes de Voo Profissionais, um sindicato que representa a tripulação aérea da American Airlines, também descreve situações "desconfortáveis" em que a tripulação, atrasada nos voos de chegada, é encontrada a correr pelo aeroporto para fazer o seu próximo trabalho.

"Por vezes os passageiros aplaudem a sua chegada porque isso significa que o seu avião vai partir, ou mesmo que estão aborrecidos - pensam que é culpa deles que o voo se tenha atrasado, quando não se pode trabalhar em dois voos ao mesmo tempo, embora tenha a certeza de que as companhias aéreas gostariam que pudéssemos", diz.

As assistentes de bordo dizem que situações como estas, juntamente com horários imprevisíveis, provocam danos no bem-estar mental e físico da tripulação.

"Os níveis de doença têm subido até ao céu, os níveis de fadiga têm subido ao céu, não porque [os assistentes estão] a rejeitar ou estão a protestar de qualquer forma. É que eles não conseguem lidar - eles simplesmente não conseguem lidar com as constantes mudanças", diz o assistente de bordo britânico Major.

Quando as companhias aéreas sugerem que os problemas atuais se devem ao absentismo do pessoal, isso é desencorajador, diz Malis.

"É um pouco ofensivo que sejamos acusados de qualquer tipo de faltas de mão-de-obra ou má gestão operacional, porque as companhias aéreas falharam no planeamento adequado", acrescenta.

"Os assistentes de bordo estão a ser maximizados, trabalhando os dias mais longos que já tivemos, com os períodos de descanso mais curtos durante a noite que já tivemos e que fazem adoecer, o que leva à exaustão e ao cansaço e enfraquece o seu sistema imunitário".

Malis diz que a American Airlines aboliu recentemente uma política de absentismo que expunha os membros da tripulação a ações disciplinares se tirassem uma licença relacionada com a Covid. Um porta-voz da companhia aérea não comentou esta mudança à CNN, mas disse que "cuidar dos membros da nossa tripulação em todos os momentos, incluindo enquanto eles estão fora de casa, é uma prioridade".

O representante da American Airlines disse que a companhia aérea não tinha conhecimento de quaisquer relatos recentes de membros da tripulação a dormir nos aeroportos.

"Se acreditamos que pode haver um problema com a acomodação da tripulação, todos pomos mãos à obra para evitar que isso aconteça", disse o representante.

Um porta-voz da Lufthansa disse que a indústria da aviação como um todo está "a sofrer de estrangulamentos e falta de pessoal, percetível especialmente durante os períodos de pico".

O boom de viagens pós-pandemia era "esperado - mas não com esta intensidade", acrescentou o porta-voz da Lufthansa. A Lufthansa cancelou recentemente uma série de voos de verão, com o porta-voz a afirmar que o objetivo era reduzir os cancelamentos no próprio dia.

Enquanto o tempo de descanso relacionado com a Covid e com a fadiga atingiu 30% entre o pessoal de terra da Lufthansa, a companhia aérea alemã afirmou que o tempo de folga da tripulação e do piloto "é significativamente mais baixo, de um dígito". O porta-voz da Lufthansa disse que, como resultado, não era necessário operar voos com a capacidade mínima de tripulação "de acordo com os padrões normais de tripulação".

O estado do sector

Os contratos de assistentes de bordo permitem dias de trabalho variáveis, pelo que voar sempre foi um trabalho com grau de imprevisibilidade. Mas à medida que a indústria se estica, os assistentes de bordo dizem que esta incerteza aumentou.

A maior parte sugere que horários imprevisíveis, combinados com as condições salariais atuais, é a razão pela qual os trabalhadores que abandonaram a indústria durante a pandemia não estão a regressar.

"Há uma razão para não regressarem", diz. "A indústria criou o seu próprio problema".

Malis faz eco disto: "Porque haveria alguém de querer candidatar-se a assistente de bordo ou a qualquer outro trabalhador da companhia aérea quando estamos a ser esmifrados até aos ossos?"

Major pensa que o problema só pode ser resolvido pela indústria aceitando que existe um problema - e um problema que ele vê como inerente ao atual modo de operação, não específico do voo pós-Covid.

Através do seu trabalho para o sindicato pan-europeu da aviação, ETF, Major defende o aumento dos salários das tripulações aéreas para corresponder ao aumento do custo de vida e a melhoria do equilíbrio entre trabalho e vida privada.

Kassa Mbuambi concorda. "Temos de proporcionar melhores condições", diz, acrescentando que o seu sindicato com sede na Alemanha está em conversações regulares com outras associações de tripulações de cabine na Europa para trabalhar soluções.

A sua opinião é de que salários mais elevados e condições de trabalho mais estruturadas refletiriam melhor o papel dos comissários de bordo.

"Não estamos lá apenas para fornecer algumas bebidas, mas também para garantir a segurança", diz Kassa Mbuambi.

Relações com os passageiros

No auge da pandemia, um dos maiores problemas enfrentados pelas tripulações aéreas era o dos passageiros indisciplinados, com a maioria dos incidentes nos EUA alegadamente relacionados com o cumprimento do uso da máscara. A assistente de bordo americana Malis diz que a perturbação dos passageiros se tornou menos problemática nos EUA desde que a obrigatoriedade do uso da máscara foi levantado.

Mas embora as questões relacionadas com a máscara possam ter cessado nos EUA, elas estão a ser discutidas noutros locais. Kassa Mbuambi e Major sugerem que haver países diferentes com regras diferentes cria uma frustração contínua entre os viajantes europeus. Estas frustrações podem ser ampliadas quando os viajantes também se vêem confrontados com perturbações de viagem.

"Temos atualmente muitos passageiros a viajar sem malas", diz Kassa Mbuambi da Lufhansa. "Por isso, é claro, temos muitos passageiros zangados".

O apelo de Kassa Mbuambi ao público viajante é de que vejam que os trabalhadores da aviação "estão a fazer o que podem".

"Todo o pessoal - não importa se é pessoal de terra ou se são tripulações de cabina - fazem o melhor que podem. Mas se não tiverem pessoal suficiente, não podem resolver todos os problemas".

Malis assinala que a época de férias de verão “estica” sempre o sistema, sugerindo que este Outono poderia "ser uma grande oportunidade para um reinício, para garantir que os nossos sistemas estão a funcionar corretamente para lidar com grandes volumes de tráfego".

Mas, tal como Major e Kassa Mbuambi, Malis pensa que uma solução a longo prazo só pode vir com uma renovação do sistema atual.

"Nós, como assistentes de bordo, estamos ali mesmo com os nossos passageiros, estamos nisto com eles, sentimos as suas frustrações em primeira mão, se não mesmo mais, porque isto tem-nos acontecido com muita frequência, já que voamos para viver", diz Malis.

"Queremos fazer bem aos nossos passageiros, podemos ver estas pobres pessoas que apenas tentam chegar onde precisam de ir, podemos ler o seu stress, podemos ver a sua ansiedade e, por isso, queremos realmente que eles cheguem onde querem, queremos, esperamos, dizer adeus com um sorriso".

O guia de um assistente de bordo para lidar com o caos das viagens de Verão

Eis algumas das melhores dicas da assistente Allie Malis para viajar agora:

- Prepare a sua paciência: Malis sugere que os viajantes devem sair de casa à espera de uma disrupção de alguma forma da viagem. "Penso que isso pelo menos colocaria as expectativas no lugar certo", diz ela.

- Prepare os seus lanches: venha preparado para se alimentar através de quaisquer atrasos, aconselha Malis. Ao lado dos seus snacks preferidos, certifique-se de que tem uma garrafa de água vazia e encha-a assim que tiver passado a segurança. Se o seu voo ficar na pista durante algum tempo, ou se se encontrar numa longa fila, será hidratado e alimentado. Além disso, algumas companhias aéreas ainda não estão a executar o seu serviço alimentar pré-Covid a bordo, e mesmo que estejam, pode haver interrupções no serviço: "Se o tempo estiver mau, se for mesmo turbulento, não há garantias de que conseguiremos realizar um serviço de bebidas em segurança", explica Malis.

- Reserve voos para de manhã cedo: Malis sugere que os voos mais cedo podem ser menos perturbados, pelo que reservar cedo pode ser bom. "Normalmente, a operação é uma espécie de reinicialização pela manhã", diz ela. E se for transferido para um voo posterior, se estiver no aeroporto logo de manhã, deverá haver mais opções disponíveis. Os atrasos relacionados com a meteorologia também tendem a ocorrer mais à tarde e à noite, acrescenta Malis.

- Deixe o tempo de reserva: tente evitar ligações apertadas quando puder, aconselha Malis. E se estiver a viajar para um acontecimento importante, como um casamento, tente voar com um ou dois dias de antecedência, se for capaz, para se dar a si próprio a paz de espírito.

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados