Já é possível extrair ADN humano do ar ou de uma pegada na praia. O que pode isto significar?

CNN , Katie Hunt
20 mai 2023, 14:00
ADN humano foi recuperado de uma pegada numa praia da Florida. David Duffy, University of Florida

O ADN humano que se infiltrou no ambiente através da saliva, da pele, do suor e do sangue pode ser utilizado para ajudar a encontrar pessoas desaparecidas ou auxiliar investigações forenses na resolução de crimes. Mas também pode trazer uma série de consequências indesejadas, tanto não intencionais como maliciosas

Pegadas na praia. Ar que paira numa sala movimentada. Água do mar.

Cientistas conseguiram recolher e analisar dados genéticos detalhados do ADN humano a partir de todos estes locais, o que levanta questões éticas complexas sobre o consentimento, a privacidade e a segurança no que respeita à nossa informação biológica.

Os investigadores da Universidade da Florida, nos Estados Unidos, que utilizaram o ADN ambiental encontrado na areia para estudar tartarugas marinhas ameaçadas de extinção, afirmaram que o ADN era de tão alta qualidade que podiam identificar mutações associadas a doenças e determinar a ascendência genética das populações que viviam nas proximidades.

Conseguiram também fazer corresponder a informação genética com a de participantes que se ofereceram para recuperar o seu ADN, como parte de uma investigação publicada na revista científica Nature Ecology & Evolution.

A equipa recolhe amostras de água em St. Augustine, na Florida. Todd Osbourne

"Todos estes dados muito pessoais, ancestrais e relacionados com a saúde estão disponíveis no ambiente e a pairar no ar neste momento", disse David Duffy, professor de Genómica de Doenças da Vida Selvagem da Universidade da Florida.

O ADN ambiental foi obtido a partir de núcleos de ar, solo, sedimentos, água, permafrost, neve e gelo e as técnicas estão a ser utilizadas principalmente para ajudar a localizar e proteger animais ameaçados de extinção.

O ADN humano que se infiltrou no ambiente através da saliva, da pele, do suor e do sangue pode ser utilizado para ajudar a encontrar pessoas desaparecidas, auxiliar investigações forenses na resolução de crimes, identificar locais de importância arqueológica e monitorizar a saúde através do ADN encontrado nos esgotos, refere o estudo.

No entanto, a capacidade de recolher ADN humano do ambiente pode trazer uma série de consequências indesejadas, tanto não intencionais como maliciosas, acrescentaram. Estas incluem a violação da privacidade, a localização, a recolha de dados e a vigilância genética de indivíduos ou grupos. Além disso, poderá levantar obstáculos éticos à aprovação de estudos sobre a vida selvagem.

Matthias Wienroth, investigador da Universidade de Northumbria, no Reino Unido, que estuda os aspetos sociais e éticos da genética na investigação forense, na vigilância e na saúde humana, afirmou que os cientistas envolvidos no estudo levaram “muito a sério os aspetos éticos do seu trabalho" e "identificaram algumas questões fundamentais que poderão surgir com as suas descobertas".

"É importante preservar a autonomia humana, a dignidade e o direito à autodeterminação sobre os dados pessoais. Isto é difícil se não se puder pedir autorização às pessoas cujo ADN pode ser recolhido no ambiente, porque provavelmente não há forma de evitar a perda de ADN no ambiente através da pele, do cabelo e da respiração", afirmou Wienroth, que não esteve envolvido na investigação.

"Uma questão fundamental é que estas descobertas acidentais de ADN podem ser introduzidas em bases de dados que podem ser comparadas com dados de utilizadores de outras bases de dados genéticas, comprometendo assim o consentimento informado e até a confidencialidade do cliente", sublinhou.

ADN humano encontrado na água, na areia e no ar

Não foi encontrado ADN humano numa amostra colhida no topo desta colina em Wicklow, na Irlanda. David Duffy, the University of Florida

A equipa do Whitney Laboratory for Marine Bioscience and Sea Turtle Hospital da Universidade da Florida, estava a utilizar ADN ambiental, recuperado de pegadas de tartarugas feitas na areia, para estudar tartarugas verdes ameaçadas de extinção e os cancros virais aos quais são suscetíveis, quando se apercebeu de que também estava a recolher ADN humano da areia, do oceano e dos rios ao redor do laboratório.

Chamaram a esta informação "captura genética humana" e decidiram estudar o fenómeno em maior profundidade.

Para além de amostras da Florida subtropical, Duffy analisou a água do rio Avoca, no condado de Wicklow, na Irlanda, e encontrou ADN humano à medida que atravessava a cidade de Arklow, embora não na parte superior do rio, onde não havia presença humana.

Também recuperaram ADN de pegadas feitas na areia por quatro voluntários. Com a sua autorização, foi possível sequenciar parte do genoma dos participantes. Em seguida, os investigadores recolheram amostras de ar de uma sala de 26 metros quadrados numa clínica veterinária onde seis funcionários realizavam as suas atividades diárias. A equipa recuperou o ADN que correspondia aos voluntários, aos dos pacientes animais e de vírus animais comuns.

A partir da informação genética recolhida, os cientistas conseguiram identificar variantes genéticas associadas às populações europeias e latinas, bem como variações associadas a uma série de perturbações e doenças como o autismo, a diabetes, as doenças oculares, o cancro e as doenças cardíacas.

Filtros a serem preparados para a extração de ADN ambiental. David Duffy, University of Florida

"Estas sequências recuperaram as regiões nuclear e mitocondrial do genoma humano, o que significa que podemos facilmente determinar se um homem ou uma mulher (estava) a caminhar ao sol ou (a sua) presença numa sala, dependendo se sequenciamos ou não o cromossoma X ou Y", explicou Duffy em conferência de imprensa.

"Utilizando o genoma mitocondrial, conseguimos investigar a ascendência genética das nossas amostras."

Yves Moreau, professor da Universidade de Leuven, na Bélgica, que estuda a inteligência artificial e a genética e tem contribuído para a recolha de amostras de ADN das minorias tibetanas e uigures na China, afirmou que, embora seja possível imaginar um cenário em que "uma máfia ou uma ditadura localizem uma testemunha protegida ou um refugiado político" utilizando a sequenciação de águas residuais, tal cenário é "um pouco rebuscado".

"É necessário um debate político sobre as expectativas de privacidade no espaço público, em particular no que diz respeito ao ADN. Não é possível evitar a perda de ADN no espaço público", observou Moreau, que não participou neste estudo.

"No entanto, não devemos entrar em pânico e tenho sempre receio de que as precauções paralisem a investigação. É um equilíbrio delicado que tem de ser encontrado."

Relacionados

Ciência

Mais Ciência

Mais Lidas

Patrocinados