Processo dos abusos sexuais na Igreja Católica portuguesa em 28 frases

Agência Lusa , PP
12 fev, 11:28
Igreja, acólitos, religião. Foto: AP Photo/Alessandra Tarantino

Esta é uma seleção de frases que marcaram o caso do abuso sexual na Igreja portuguesa, desde a criação, há um ano, da comisão independente e que apresenta o seu relatório final segunda-feira:

“Em Portugal, nos últimos tempos e tal como em diversos países, registou-se uma saudável onda de indignação, movida pela procura de uma verdade histórica, sobre o que poderá ter acontecido a um número incontável de menores no campo dos abusos sexuais em diversos contextos da sociedade, em especial no seio da própria Igreja Católica.”

Pedro Strecht, na apresentação como coordenador da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos de Menores na Igreja

02-11-2021

“[A Comissão Independente para o Estudo dos Abusos de Menores na Igreja] é, acima de tudo, uma equipa de estudo e não uma equipa de investigação [criminal].”

Idem, ibidem

“Vamos distinguir claramente denúncias de testemunhos. As denúncias não as vamos trabalhar, mas vamos imediatamente enviá-las para as instâncias competentes.”

Álvaro Laborinho Lúcio, membro da comissão, juiz conselheiro jubilado do Supremo Tribunal de Justiça e ex-ministro da Justiça

10-01-2022

“As histórias de abuso e trauma ouvidas e/ou registadas contêm momentos de profunda dor e sofrimento e, claro está, décadas de silenciamento de cada pessoa, todos merecem a nossa profunda empatia e respeito.”

Pedro Strecht

15-01-2022

“É uma crise grande que vivemos mas a crise é de purificação, porque é a verdade que nos liberta e a verdade pode custar e estamos todos a sofrer com isto, mas é para que ela nos liberte e para que a Igreja seja um lugar acolhedor, um lugar seguro, um lugar de paz e de reconciliação.”

José Cordeiro, arcebispo de Braga

12-02-2022

“Uma grande parte destas pessoas não quer declarar-se perante alguém que as conhece, no ambiente onde são conhecidas. Querem de facto ser ouvidas, têm ânsia de ser ouvidas, mas têm a ânsia também de não ser manipuladas e grande parte não quer ser identificada.”

José Ornelas, bispo de Leiria-Fátima e presidente da Conferência Episcopal, confrontado com o diminuto número de casos chegados às comissões diocesanas criadas há cerca de dois anos

17-03-2022

“Tudo o que seja feito em termos de transparência neste domínio é muito importante para a democracia portuguesa e muito importante para a sociedade portuguesa.”

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República

12-04-2022

“Aqui estamos, com plena consciência e compromisso, para reconhecer e corrigir erros passados, pedir perdão por eles e prevenir convenientemente o futuro.”

Manuel Clemente, cardeal patriarca de Lisboa

14-04-2022

“Às pessoas que passaram pela dramática situação do abuso reafirmamos o nosso pedido de perdão, em nome da Igreja Católica, e o nosso empenho em ajudar a sarar as feridas.”

José Ornelas, na abertura da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa

25-04-2022

“É sabido e claro para nós que existiu ocultação em várias situações por membros da Igreja Católica Portuguesa. O que pedimos neste momento e em todo o trabalho futuro é que não se faça de novo ocultação da ocultação.”

Pedro Strecht

10-05-2022

“Se a igreja hoje optar por ocultar a ocultação com isto não está a fazer mais do que fazer seus os abusos sexuais que ocorreram no seu seio, a aumentar a densidade de censura que se lhe deve dirigir pela ocultação anterior e retirar de todos nós e das nossas crianças a esperança de que as coisas venham a modificar-se.”

Laborinho Lúcio, membro da Comissão Independente do Estudo sobre Abuso Sexual de Crianças na Igreja Católica Portuguesa

10-05-2022

“Aceito que este caso e outros do conhecimento público, e que foram tratados no passado, não correspondem aos padrões e recomendações que hoje todos queremos ver implementados.”

Manuel Clemente, numa carta aberta à notícia do jornal Observador de que terá ocultado das autoridades judiciais e policiais um caso de abusos sexuais no interior da Igreja

29-07-2022

“Um dos efeitos importantes deste trabalho é o apuramento integral da verdade e isso significará, no momento em que se vier a definir o que se passou e quem teve responsabilidade, que depois serão retiradas as consequências. As instituições têm de aceitar essa regra do estado de direito democrático.”

Marcelo Rebelo de Sousa

05-08-2022

“Percebemos bem que há um setor da Igreja Católica que quer manter os segredos [sobre os casos de abusos sexuais].”

Pedro Strecht

RTP, 24-08-2022

“[A ação da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos no seio da Igreja] não é uma caça às bruxas, [nem uma] campanha contra ninguém. A verdade é libertadora para todos. O segredo não deve servir para guardar e sigilar coisas nefandas.”

José Ornelas

29-08-2022

“Durante anos foram abafados casos [de abusos sexuais na igreja católica].”

José Ornelas

CNN Portugal, 03-10-2022

“Mostrei a notícia ao papa [Francisco sobre a denúncia enviada ao Ministério Público relativa ao alegado encobrimento de abusos sexuais] e ele disse-me: ‘Olha, tu tens de saber o que fizeste e como fazes. Se há alguma coisa, tu pedes desculpa, mas não vais deixar de fazer aquilo que fazes’.”

José Ornelas

RTP, 05-10-2022

“Há 424 testemunhos recolhidos pelas diversas formas englobadas no trabalho da Comissão. O número mínimo de vítimas será muitíssimo maior do que as quatro centenas e os abusos compreendem todas as formas descritas na lei portuguesa. A maior parte das situações encontra-se juridicamente prescrita.”

Pedro Strecht

11-10-2022

“Haver 400 casos não me parece que seja particularmente elevado, porque noutros países e com horizontes mais pequenos houve milhares de casos.”

Marcelo Rebelo de Sousa

11-10-2022

“O Presidente [da República] mostra estar mais preocupado em ilibar e relativizar a gravidade do comportamento de vários elementos da Igreja Católica do que com as vítimas dos atos hediondos. Marcelo Rebelo de Sousa deve um pedido de desculpas às vítimas e ao país.”

Comunicado da Iniciativa Liberal

11-10-2022

“Uma vítima de abusos sexuais, mesmo que fosse só uma, já seria muito grave.”

André Ventura, presidente do Chega

11-10-2022

“É incompreensível a desvalorização dos abusos sexuais de menores na igreja por parte do Presidente da República e inaceitável o contacto que fez ao bispo José Ornelas sobre a denúncia.”

Inês Sousa Real, porta-voz do PAN

11-10-2022

“Senhor Presidente, imagine todo o sofrimento e coragem que foi preciso para que 400 pessoas partilhassem as histórias de abusos que guardaram durante anos. As suas declarações podem ter por consequência minimizar esse sofrimento e desencorajar quem ainda procura forças para falar.”

Rui Tavares, deputado único do Livre

11-10-2022

“Quero expressar a minha total solidariedade com o Presidente da República, (…) pela interpretação inaceitável que tem sido feita das suas palavras. Eu conheço-o, todos nós conhecemos bem o Presidente da República, portanto, todos sabemos que para uma pessoa como o professor Marcelo Rebelo de Sousa, um caso que fosse, só um caso de abuso sexual sobre crianças, seria absolutamente intolerável, como é para o conjunto da sociedade.”

António Costa

12-10-2022

“Estes acontecimentos trágicos e dramáticos [abusos sexuais na Igreja Católica] que não têm desculpa, nem nunca deviam ter acontecido. (…) Para mim qualquer número é sempre demasiado.”

José Ornelas

12-10-2022

“A minha intenção não foi ofender quando disse o que disse, mas se porventura entenderam, uma que seja das vítimas [de abusos na Igreja Católica] que está ofendida, eu peço desculpa por isso, porque não era esse o meu objetivo.”

Marcelo Rebelo de Sousa

13-10-2022

“Temos amarguradamente de reconhecer que a realidade é muito mais sombria e dolorosa do eu que pensava. Fique muito claro que sofro e deploro liminarmente esse flagelo dos crimes de natureza sexual cometidos contra menores ou pessoas vulneráveis. E que tudo farei para lhes pôr cobro.”

Manuel Linda, bispo do Porto

25-10-2022

“Uma Igreja que tem coragem para se renovar, expurgando o que em si é negativo, tem a porta aberta ao futuro porque se fortalece. Caso contrário…”

José Souto Moura, juiz jubilado, que lidera a Coordenação Nacional das Comissões Diocesanas de Proteção de Menores

Lusa, 01-11-2022

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Mais Lidas

Patrocinados