Primeiro-ministro sudanês demite-se 42 dias após acordo com militares golpistas

Agência Lusa , RL
2 jan, 22:22
Manifestações no Sudão

Renúncia de Abdullah Hamdok surge no mesmo dia em que o país testemunhou uma nova jornada de manifestações contra o golpe de Estado de 25 de outubro

 O primeiro-ministro do Sudão, Abdullah Hamdok, anunciou este domingo através da televisão a sua demissão, 42 dias depois de ter alcançado um acordo com os militares para regressar ao cargo, do qual foi deposto em outubro último.

A renúncia de Hamdok surge no mesmo dia em que o país testemunhou uma nova jornada de manifestações contra o golpe de Estado de 25 de outubro e contra o acordo com o líder da junta militar, Abdel-Fattah al-Burhan.

Pelo menos três manifestantes foram mortos durante as manifestações de hoje, segundo o Comité dos Médicos do Sudão, um sindicato da oposição, tendo o total de vítimas mortais relacionadas com os protestos contra o golpe subido para 57.

Na sua comunicação, Hamdock declarou ter feito tudo o que foi possível para evitar a tal situação no país.

“Fiz tudo o que foi possível para evitar que o país deslizasse para o desastre quando atravessa uma perigosa viragem que ameaça a sua sobrevivência (...) face à fragmentação das forças políticas e aos conflitos entre os componentes (civil e militar) da transição (...). Apesar de tudo o que foi feito para se chegar a um consenso (...) isso não aconteceu”, afirmou.

O Sindicato dos Médicos do Sudão, que fornece o registo das vítimas mortais e feridos durante os protestos, anunciou através das redes sociais que pelo menos três manifestantes morreram durante as marchas que decorreram na capital do país, Cartum, e na cidade adjacente de Um Durman.

O balanço inicial dos protestos, também fornecido pela mesma fonte, dava conta de dois mortos.

Os protestos intensificaram-se neste país africano desde que o líder militar sudanês, o general Abdel-Fattah al-Burhan, e o primeiro-ministro Abdullah Hamdok, destituído no golpe de Estado de outubro, chegaram a um acordo, em finais de novembro, para repor o último em funções e estabelecer um novo roteiro para as eleições no país, previstas para 2023.

Milhares de pessoas saíram hoje para as ruas de Cartum e de outras cidades do país, num novo dia de protestos convocados pelos chamados comités de resistência.

Os manifestantes, agitando bandeiras, expressaram a sua rejeição do acordo político alcançado entre Abdel-Fattah al-Burhan e Abdullah Hamdok, gritando frases de ordem a favor de um Estado civil, de acordo com os relatos da agência noticiosa oficial sudanesa, SUNA.

Antes do início das manifestações, as autoridades sudanesas fecharam todas as vias e pontes que garantem os acessos a Cartum, exceto duas, enquanto os serviços telefónicos e de Internet foram cortados, medida frequente durante os dias de protestos.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados