Primeiro-ministro sudanês demite-se 42 dias após acordo com militares golpistas

Agência Lusa , RL
2 jan, 22:22
Manifestações no Sudão
Manifestações no Sudão

Renúncia de Abdullah Hamdok surge no mesmo dia em que o país testemunhou uma nova jornada de manifestações contra o golpe de Estado de 25 de outubro

PUB

 O primeiro-ministro do Sudão, Abdullah Hamdok, anunciou este domingo através da televisão a sua demissão, 42 dias depois de ter alcançado um acordo com os militares para regressar ao cargo, do qual foi deposto em outubro último.

A renúncia de Hamdok surge no mesmo dia em que o país testemunhou uma nova jornada de manifestações contra o golpe de Estado de 25 de outubro e contra o acordo com o líder da junta militar, Abdel-Fattah al-Burhan.

PUB

Pelo menos três manifestantes foram mortos durante as manifestações de hoje, segundo o Comité dos Médicos do Sudão, um sindicato da oposição, tendo o total de vítimas mortais relacionadas com os protestos contra o golpe subido para 57.

Na sua comunicação, Hamdock declarou ter feito tudo o que foi possível para evitar a tal situação no país.

“Fiz tudo o que foi possível para evitar que o país deslizasse para o desastre quando atravessa uma perigosa viragem que ameaça a sua sobrevivência (...) face à fragmentação das forças políticas e aos conflitos entre os componentes (civil e militar) da transição (...). Apesar de tudo o que foi feito para se chegar a um consenso (...) isso não aconteceu”, afirmou.

PUB
PUB
PUB

O Sindicato dos Médicos do Sudão, que fornece o registo das vítimas mortais e feridos durante os protestos, anunciou através das redes sociais que pelo menos três manifestantes morreram durante as marchas que decorreram na capital do país, Cartum, e na cidade adjacente de Um Durman.

O balanço inicial dos protestos, também fornecido pela mesma fonte, dava conta de dois mortos.

Os protestos intensificaram-se neste país africano desde que o líder militar sudanês, o general Abdel-Fattah al-Burhan, e o primeiro-ministro Abdullah Hamdok, destituído no golpe de Estado de outubro, chegaram a um acordo, em finais de novembro, para repor o último em funções e estabelecer um novo roteiro para as eleições no país, previstas para 2023.

Milhares de pessoas saíram hoje para as ruas de Cartum e de outras cidades do país, num novo dia de protestos convocados pelos chamados comités de resistência.

Os manifestantes, agitando bandeiras, expressaram a sua rejeição do acordo político alcançado entre Abdel-Fattah al-Burhan e Abdullah Hamdok, gritando frases de ordem a favor de um Estado civil, de acordo com os relatos da agência noticiosa oficial sudanesa, SUNA.

PUB
PUB
PUB

Antes do início das manifestações, as autoridades sudanesas fecharam todas as vias e pontes que garantem os acessos a Cartum, exceto duas, enquanto os serviços telefónicos e de Internet foram cortados, medida frequente durante os dias de protestos.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados